Artigo de Opinião “As Experiências do Consumidor do Futuro” (Revista SPOT)

As Experiências do Consumidor do Futuro

Por Bruno Silva

Artigo de Opinião publicado na Revista SPOT

A sociedade actual está a sofrer uma mudança de paradigma importante, pelo facto de a obtenção da informação e das formas de comunicação estarem a passar do paradigma tradicional (comunicação presencial, imprensa, rádio, televisão, etc) para um paradigma digital que está a começar a afectar o nosso processo de compra e as nossas experiências enquanto consumidores.

Antigamente existia a tendência de procurar informação, referências e opiniões à nossa rede de contactos, amigos, família, etc. e de prestarmos atenção à publicidade dos mass-media e à informação disponível no ponto de venda. Neste momento, além dessas opções começamos a prestar dar cada vez maior atenção à informação que podemos pesquisar online nos motores de busca ou que podemos consultar e pesquisar nos medias sociais.

Cada vez é mais comum um potencial consumidor procurar primeiro a informação na internet, comparar preços, condições e especificações do produto/serviço e depois dessa fase efectuar a compra online ou visitar o ponto de venda presencial. Mesmo no ponto de venda presencial, cada vez mais o que importa é a demonstração e a experiência do consumidor para depois decidir se compensa adquirir o produto ou o serviço no online ou no ponto de venda.

Naturalmente que compras de elevado valor ou de elevado risco continuarão a ser adquiridas preferencialmente no presencial, como é o caso do sector imobiliário e do sector automóvel, mas até neste tipo de comportamentos de compra é habitual a pesquisa de informação iniciar-se no digital.

E chegamos à grande questão: O que será o comércio, os serviços e o retalho do futuro?

Iniciativas como o projecto Amazon Go poderão ajudar a revolucionar a automatização no Ponto de Venda, com check-ins e check-outs automáticos, pagamentos digitais e quase sem interação necessária com funcionários na loja. Nesse modelo de comércio, os funcionários deixam de ser necessários para muitas das tarefas até agora manuais o que poderá originar menor necessidade de postos de trabalho, mantendo-se a necessidade na gestão e reposição dos stocks, no aconselhamento personalizado ao cliente e na gestão e manutenção da infra-estrutura tecnológica.

Com um crescente aumento do comércio eletrónico e com a vaga da indústria 4.0 que pretende aproximar a indústria do consumidor final, existirá menor lugar a grossistas e uma diminuição dos retalhistas, e mesmo o retalho deixará de ser um mero local de stocks, de exposição e de venda, mas acima de tudo um local de experiências onde o cliente poderá interagir com a marca, poderá experienciar e relacionar-se com o seu conselheiro personalizado, sendo dessa forma decisiva a aposta no marketing experiencial e no marketing relacional como vectores fundamentais da estratégia de inovação de uma marca, seja qual for a actividade em que actue.

Sobre o Autor

Bruno Silva

—> Perfil de Bruno Silva no Facebook
—> Perfil de Bruno Silva no LinkedIn

# Coach, Consultor e Formador nas áreas da Inovação, Marketing e Empreendedorismo, desde 2009 na InnovMark, colaborando também com Instituições de Ensino Superior, Entidades de Consultoria e de Formação profissional, Associações Empresariais, onde se incluem projectos geridos pela AEP, IAPMEI, CAP, AIP, CCP, CIG, etc.

# Speaker / Orador, desde 2009, com mais de 100 presenças nos principais Congressos, Seminários, Workshops e Conferências nacionais e Feiras de Negócios nas áreas da Inovação, Marketing e Empreendedorismo.

# Fundador e Community Manager, desde 2006, do Portal Inovação & Marketing, que conta actualmente com mais de 70.000 Subscritores, considerando todos os formatos de subscrição, sendo um dos maiores projectos deste género em Portugal.

# Fundador e Community Manager, desde 2013, do “Dish Mob Portugal” que promove o espírito “Dish Mob”, e que está a transformar-se num dos principais movimentos nacionais de promoção do networking e aceleração de ideias nas áreas da inovação e do empreendedorismo.

– Licenciatura em Gestão pela Universidade do Minho.
– Pós-Graduação em Marketing pelo IPAM – Marketing School.
– Pós-Graduação em Gestão da Tecnologia, Inovação e Conhecimento pela Universidade de Aveiro
– Curso de Especialização em Empreendedorismo de Base Tecnológica pela Universidade de Aveiro
– Formações Profissionais em Vendas, Excelência Pessoal, Inteligência Emocional e Criatividade, Gestão do Stress, Organização de Eventos, Comunicação em Público, E-Business, etc.