Artigo de Opinião: “A Transição Digital no Plano de Recuperação e Resiliência” (Revista SPOT)

A Transição Digital no Plano de Recuperação e Resiliência

Por Bruno Silva

A Transição Digital é uma das grandes apostas em termos de inovação para esta década e estão previstos vários investimentos nacionais apoiados por fundos comunitários. Ao nível do PRR – Plano de Recuperação e Resiliência já é conhecido o valor de 2.460 milhões de euros de investimento na Transição Digital, de um total de investimento que ronda os 16.644 milhões de euros de investimento total no PRR.

Em termos de Transição Digital as 5 componentes fundamentais são as Empresas 4.0 (650 M€), a Qualidade e Sustentabilidade das Finanças Públicas (406 M€), a Justiça Económica e Ambiente de Negócios (267 M€), a Administração Pública mais eficiente (578 M€) e a Escola Digital (559 M€) de um total de 2.460 M€.

Das 5 Componentes de investimento na Transição Digital 1 das componentes é privada e 4 das componentes são estatais, ou seja apenas 20% das componentes dizem respeito à esfera privada que representa 85% do emprego em Portugal, enquanto que 80% das componentes dizem respeito à esfera estatal que representa 15% do emprego em Portugal. Em termos de valores absolutos de investimento 650M€ dizem respeito à esfera privada (26,4%) e 1.810 M€ dizem respeito à esfera estatal (73,6%).

A componente Empresas 4.0 (650 M€) dirigida ao reforço de digitalização das empresas tem como objetivo recuperar o atraso relativamente ao processo de transição digital, permitindo o acesso ao conhecimento e aos meios tecnológicos digitais que promovem várias áreas e competências digitais e existem 3 áreas de investimento (Capacitação Digital das Empresas, Transição Digital nas Empresas e Catalisação da Transição Digital das Empresas).

Em termos de Capacitação Digital nas Empresas (100 M€) está previsto o lançamento da Academia Portugal Digital e o Emprego + Digital 2025 que prevê atingir 800 mil formandos com diagnósticos de competências digitais, planos de formação individual e acessos a formação online, dos quais 200 mil formandos vão frequentar formações presenciais ou em regime misto.

Ao nível da Transição Digital das Empresas (450 M€) está previsto o apoio a mais de 50 mil PME’s, a constituição de 50 bairros de comércio digital, 10 aceleradoras digitais, o apoio à criação de 30 Test-Beds (plataformas de testes), 4 mil empresas com formação teórica e consultoria focada na Indústria 4.0, e 3 mil vouchers para start-ups.

Ao nível da Catalisação da Transição Digital das Empresas (100 M€) estão previstos vários objetivos onde se inserem 4 mil empresas impactadas pela disseminação das tecnologias chave que irão complementar as integradas nos Hubs Europeus da DEP – Digital Europe Programme, 250 mil utilizadores de faturas eletrónicas em formato digital e também 15 mil certificações ao nível de Selos de Certificações de Cibersegurança, Privacidade, Usabilidade e Sustentabilidade.

Infelizmente, ainda não estão previstas as datas de lançamento destas medidas e de abertura das candidaturas ao investimento, as condições de elegibilidade dos candidatos, os critérios de mérito dos projetos e o prazo de execução das várias tipologias de investimento.

Bruno Silva

—> Perfil de Bruno Silva no Facebook
—> Perfil de Bruno Silva no LinkedIn

# Coach, Consultor, Formador e E-Formador, desde 2009, em projectos financiados e não financiados como é o caso de projectos conjuntos formação – acção (AEP, IAPMEI, CAP, AIP, CTP, CCP), projectos individuais SI Qualificação / Inovação / Internacionalização (QREN e P2020),  Empreendedorismo no Feminino (CIG), Cursos de Especialização Tecnológica, Formações Modulares e de Vida Activa, entre outro tipo de projectos, na InnovMark, colaborando em parceria com Instituições de Ensino Superior, Associações Empresariais e de Desenvolvimento Regional, Entidades de Consultoria e de Formação Profissional DGERT.

# Speaker / Orador, desde 2009, com mais de 100 presenças nos principais Congressos, Seminários, Workshops e Conferências nacionais e Feiras de Negócios nas áreas da Inovação, Marketing e Empreendedorismo.

# Fundador e Responsável de Marketing (Community Manager), desde 2006, do Portal Inovação & Marketing, que conta actualmente com mais de 90.000 Subscritores, considerando todos os formatos de subscrição, sendo um dos maiores projectos deste género em Portugal.

# Cronista desde 2006 no Portal Inovação & Marketing, Revista Inovar-te, Portal AEP, Revista Brasileira de Administração, Revista Farmácia Distribuição, E-Go-Marketing, Revista Portugal Inovador (Jornal Público), RTP2, Marketing Farmacêutico e Revista SPOT.

# Fundador e Responsável de Marketing (Community Manager), desde 2013, do “Dish Mob Portugal“, movimento cívico que promove o espírito “Dish Mob”, sendo um movimento nacional importante na promoção do networking e de aceleração de ideias nas áreas da inovação e do empreendedorismo de base local, com cerca de 40 eventos realizados a nível nacional.

Licenciado em Gestão (Pré-Bolonha) (Univ. Minho – 2004), Pós-Graduação em Marketing (IPAM – 2006), Mestrado (Parte Curricular) em Gestão da Inovação, Tecnologia e Conhecimento (Univ. Aveiro – 2007) e Especialização em Empreendedorismo de Base Tecnológica (Univ. Aveiro – 2007)

Experiência nas seguintes temáticas: Gestão de Empresas, Inovação, Empreendedorismo, Marketing, Vendas, Comunicação de Marketing, Marketing Digital, Marketing em Social Media, Marketing Inovador, Internacionalização, Marketing Internacional, Negócios Internacionais, Recursos Humanos, Coaching Comercial, Coaching a Empreendedores e a Executivos.

Balanço de Actividades (2009-2021)

Dezembro 7, 2021 by  
Filed under InnovMark

Chegamos à altura do Ano que é a ideal para se realizar os Balanços do Ano e os Balanços de Actividades.

(InnovMark, Portal Inovação & Marketing)

Artigo de Opinião “A Inovação nas Empresas” (Revista SPOT)

A Inovação nas Empresas

Por Bruno Silva

Durante o mês de outubro 2021 a cidade de Braga teve a oportunidade de acolher um evento sobre Fundos Comunitários europeus, nacionais e também fundos para a articulação entre as regiões da Galiza e do Minho. Nesse evento esteve presente o Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, o Ministro do Planeamento Nelson Souza, o Ministro da Instraestruturas e Habitação Pedro Nuno Santos e também a Ministra da Coesão Territorial Ana Abrunhosa, além de outras personalidades de relevo.

Nesse evento foi possível perceber que Portugal vai ter a hipótese de obter um cheque nos próximos anos (PRR – Plano de Recuperação e Resiliência e Portugal 2030) que irá ser bastante superior ao que Portugal recebeu no último quadro financeiro europeu plurianual (Portugal 2020). Portugal vai subir a disponibilidade financeira de 25 mil milhões de euros para 40 mil milhões de euros (24 mil milhões de euros do Portugal 2030 e 16 mil milhões de euros do PRR) a executar num período de cerca de 7 anos.

No entanto, tal como Portugal vai ter um aumento de 60% na disponibilidade de fundos europeus para os próximos anos, a realidade é que também os outros países da UE também vão beneficiar de um aumento da disponibilidade de fundos europeus de investimento para o pós-pandemia COVID-19, e esta será uma década decisiva que Portugal vai ter para evitar ficar ainda mais na cauda do pelotão.

Considerando por exemplo o Ranking pela produtividade do trabalho por hora trabalhada (em euros) verifica-se que desde 2000 até 2020 a média da UE subiu de 19,5€ para 35,7€/hora, e o TOP 12 europeu continua com os mesmos países Irlanda, Luxemburgo, Dinamarca, Bélgica, França, Países Baixos, Alemanha, Áustria, Suécia, Finlândia, Itália e Espanha. Portugal estava na 17ª posição em 2000, situou-se na 19ª posição em 2010 e baixou para a 21ª posição em 2020, mesmo tendo subido o valor hora da produtividade do trabalho de 13,3€ para 23,8€/hora em 20 anos, tendo sido ultrapassado por países como a República Checa, Eslováquia, Estónia, Lituânia, Hungria, e só o afundamento da Grécia impediu que a queda não tivesse sido maior.

Portugal e as empresas Portuguesas só têm um caminho: Inovar e Internacionalizar a sua economia e o seu tecido empresarial, aumentando ao mesmo tempo a qualificação e habitações dos Portugueses! Sem essa estratégia iremos continuar neste ritmo de crescimento residual e a ser ultrapassado por outros países europeus de Leste como é o caso da Roménia, Polónia, Letónia, Croácia e Bulgária que têm vindo a crescer a ritmos médios superiores aos que se têm verificado em Portugal nos últimos anos. O desafio é claro e evidente e importa saber se os atores políticos e económicos vão saber aplicar a visão necessária para o país e se vão adotar a atitude adequada para melhorar a competitividade nacional através do incentivo da inovação, internacionalização e da qualificação da economia nacional.

Bruno Silva

—> Perfil de Bruno Silva no Facebook
—> Perfil de Bruno Silva no LinkedIn

# Coach, Consultor, Formador e E-Formador, desde 2009, em projectos financiados e não financiados como é o caso de projectos conjuntos formação – acção (AEP, IAPMEI, CAP, AIP, CTP, CCP), projectos individuais SI Qualificação / Inovação / Internacionalização (QREN e P2020),  Empreendedorismo no Feminino (CIG), Cursos de Especialização Tecnológica, Formações Modulares e de Vida Activa, entre outro tipo de projectos, na InnovMark, colaborando em parceria com Instituições de Ensino Superior, Associações Empresariais e de Desenvolvimento Regional, Entidades de Consultoria e de Formação Profissional DGERT.

# Speaker / Orador, desde 2009, com mais de 100 presenças nos principais Congressos, Seminários, Workshops e Conferências nacionais e Feiras de Negócios nas áreas da Inovação, Marketing e Empreendedorismo.

# Fundador e Responsável de Marketing (Community Manager), desde 2006, do Portal Inovação & Marketing, que conta actualmente com mais de 90.000 Subscritores, considerando todos os formatos de subscrição, sendo um dos maiores projectos deste género em Portugal.

# Cronista desde 2006 no Portal Inovação & Marketing, Revista Inovar-te, Portal AEP, Revista Brasileira de Administração, Revista Farmácia Distribuição, E-Go-Marketing, Revista Portugal Inovador (Jornal Público), RTP2, Marketing Farmacêutico e Revista SPOT.

# Fundador e Responsável de Marketing (Community Manager), desde 2013, do “Dish Mob Portugal“, movimento cívico que promove o espírito “Dish Mob”, sendo um movimento nacional importante na promoção do networking e de aceleração de ideias nas áreas da inovação e do empreendedorismo de base local, com cerca de 40 eventos realizados a nível nacional.

Licenciado em Gestão (Pré-Bolonha) (Univ. Minho – 2004), Pós-Graduação em Marketing (IPAM – 2006), Mestrado (Parte Curricular) em Gestão da Inovação, Tecnologia e Conhecimento (Univ. Aveiro – 2007) e Especialização em Empreendedorismo de Base Tecnológica (Univ. Aveiro – 2007)

Experiência nas seguintes temáticas: Gestão de Empresas, Inovação, Empreendedorismo, Marketing, Vendas, Comunicação de Marketing, Marketing Digital, Marketing em Social Media, Marketing Inovador, Internacionalização, Marketing Internacional, Negócios Internacionais, Recursos Humanos, Coaching Comercial, Coaching a Empreendedores e a Executivos.

Artigo de Opinião “A Inovação na Saúde” (Revista SPOT)

A Inovação na Saúde

Por Bruno Silva

A área da saúde irá merecer algumas reformas e vários investimentos cuja importância é reforçada devido ao surgimento do combate à pandemia do COVID-19. Nos próximos anos em Portugal vão existir investimentos no âmbito do PPR – Plano de Recuperação e Resiliência nos Cuidados de Saúde Primários com mais respostas, na Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados e na Rede Nacional de Cuidados Paliativos, na Conclusão da Reforma da Saúde Mental e Implementação da Estratégia para as Demências, em Equipamentos dos Hospitais do Seixal, Sintra e Lisboa, no Fortalecimento do Serviço Regional de Saúde da Região Autónoma da Madeira, na Transição Digital da Saúde, na Digitalização da Saúde na Região Autónoma da Madeira, no Hospital Digital da Região Autónoma dos Açores e no Sistema Universal de Apoio à Vida Ativa.

Se durante anos existiram algumas dúvidas quanto à importância de um SNS – Sistema Nacional de Saúde forte e modernizado, já que foram sendo emitidas algumas posições de uma maior importância dos serviços de saúde privados, a realidade é que devido ao surgimento da pandemia do COVID-19 existe um consenso alargado quanto à importância de ter um SNS forte e robusto com capacidade para dar responder da forma mais correcta a situações de emergência ou de calamidade, além da natural e importante existência de serviços privados alternativos.

Esse investimento no SNS é urgente e fundamental devido ao facto de a máquina do estado e os seus profissionais estarem mal preparados para trabalhar em regime de trabalho à distância ou de serviços prestados por via digital. Existe uma falta de capacitação tecnológica das infraestruturas e de capacidade digital dos profissionais, como aliás também se torna urgente investir nessas áreas no sector do ensino, e sem essas reformas e investimentos o nosso país irá ficar sempre longe da resposta imediata e necessária aos problemas dos cidadãos.

O atraso organizativo, de tecnologia e de qualificação é de tal forma evidente que o Governo Português teve de designar a liderança de Gouveia e Melo, Almirante da Marinha Portuguesa, militar português e ex-Comandante Naval para a Missão de Vacinação da população portuguesa contra a COVID-19 atendendo a que a máquina burocratizada e algo ineficiente do Estado não responderia da mesma forma sem esta visão de planeamento, exigência e de rigor que foi implementada.

No sector privado tivemos uma excelente notícia com a inauguração do Botton-Champalimaud Pancreatic Cancer Centre em Lisboa, que representou um investimento de 50 milhões de euros numa infraestrutura de topo em termos de tecnologia, organização e de recursos humanos, devido a esforços conjuntos entre o casal Botton e a Fundação Champalimaud. Devido ao enorme destaque mediático às condições, tecnologias e profissionais topo de gama que irão ser disponibilizados neste novo centro médico, que está ao nível do melhor que se disponibiliza a nível mundial, tornou-se mais evidente a enorme disparidade de meios e de qualidade de serviço que se disponibiliza no sector público e e em várias unidades do sector privado, nos mais diversos serviços médicos e de atendimento, não só ao nível das condições, tecnologias e recursos humanos, mas também e sobretudo na capacidade de resposta estatal e nos tempos de resposta que ficaram muito comprometidos devido à atenção que foi necessário dar à pandemia COVID-19, e que terão de ser melhorados, se pretendermos colocar o nosso país no pelotão dos países mais desenvolvidos do mundo.

Bruno Silva

—> Perfil de Bruno Silva no Facebook
—> Perfil de Bruno Silva no LinkedIn

# Coach, Consultor, Formador e E-Formador, desde 2009, em projectos financiados e não financiados como é o caso de projectos conjuntos formação – acção (AEP, IAPMEI, CAP, AIP, CTP, CCP), projectos individuais SI Qualificação / Inovação / Internacionalização (QREN e P2020),  Empreendedorismo no Feminino (CIG), Cursos de Especialização Tecnológica, Formações Modulares e de Vida Activa, entre outro tipo de projectos, na InnovMark, colaborando em parceria com Instituições de Ensino Superior, Associações Empresariais e de Desenvolvimento Regional, Entidades de Consultoria e de Formação Profissional DGERT.

# Speaker / Orador, desde 2009, com mais de 100 presenças nos principais Congressos, Seminários, Workshops e Conferências nacionais e Feiras de Negócios nas áreas da Inovação, Marketing e Empreendedorismo.

# Fundador e Responsável de Marketing (Community Manager), desde 2006, do Portal Inovação & Marketing, que conta actualmente com mais de 90.000 Subscritores, considerando todos os formatos de subscrição, sendo um dos maiores projectos deste género em Portugal.

# Cronista desde 2006 no Portal Inovação & Marketing, Revista Inovar-te, Portal AEP, Revista Brasileira de Administração, Revista Farmácia Distribuição, E-Go-Marketing, Revista Portugal Inovador (Jornal Público), RTP2, Marketing Farmacêutico e Revista SPOT.

# Fundador e Responsável de Marketing (Community Manager), desde 2013, do “Dish Mob Portugal“, movimento cívico que promove o espírito “Dish Mob”, sendo um movimento nacional importante na promoção do networking e de aceleração de ideias nas áreas da inovação e do empreendedorismo de base local, com cerca de 40 eventos realizados a nível nacional.

Licenciado em Gestão (Univ. Minho – 2004), Pós-Graduação em Marketing (IPAM – 2006), Mestrado (Parte Curricular) em Gestão da Inovação, Tecnologia e Conhecimento (Univ. Aveiro – 2007) e Especialização em Empreendedorismo de Base Tecnológica (Univ. Aveiro – 2007)

Experiência nas seguintes temáticas: Gestão de Empresas, Inovação, Empreendedorismo, Marketing, Vendas, Comunicação de Marketing, Marketing Digital, Marketing em Social Media, Marketing Inovador, Internacionalização, Marketing Internacional, Negócios Internacionais, Recursos Humanos, Coaching Comercial, Coaching a Empreendedores e a Executivos.

Artigo de Opinião “Os 6 Pilares da UE para o Plano de Recuperação e Resiliência” (Revista SPOT)

Por Bruno Silva

Publicado na Revista SPOT

O Plano de Recuperação e Resiliência (PPR) irá apostar em domínios de intervenção estruturados em 6 pilares relevantes da UE onde se incluem a transição ecológica; a transformação digital; o crescimento inteligente sustentável e inclusivo; a coesão social e territorial; a saúde e resiliência económica, social e institucional; e por fim as políticas para a próxima geração – crianças e jovens.

Estes 6 Pilares relevantes da UE vão ser transversais aos 3 eixos de intervenção em Portugal: Resiliência, Transição Climática e Transição Digital.

Em termos de Resiliência vão existir 9 Componentes de investimento onde estão incluídos o Serviço Nacional de Saúde, a Habitação, as Respostas Sociais, a Cultura, a Capacitação e Inovação Empresarial, as Qualificações e Competências, as Infraestruturas, as Florestas e a Gestão Hídrica.

Em termos de Transição Climática vão existir 6 Componentes de investimento onde estão incluídos o Mar, a Descarbonização da indústria, a Bioeconomia Sustentável, a Eficiência Energética dos Edifícios, o Hidrogénio e Renováveis e também a Mobilidade Sustentável.

Em termos de Transição Digital vão existir 5 Componentes de investimento onde estão consideradas as Empresas 4.0, a Qualidade e Sustentabilidade das Finanças Públicas, a Justiça Económica e Ambiente de Negócios, a Administração Pública mais Eficiente e por fim a Escola Digital.

Recentemente o Primeiro Ministro referiu que as empresas devem começar a preparar as suas candidaturas para aceder aos fundos comunitários no âmbito do PPR, no entanto ainda não se sabe nada sobre o cronograma atempado dos diversos avisos e sobre eventuais candidaturas, sobre aos critérios de elegibilidade das empresas, elegibilidade da tipologia dos investimentos, prazos de candidatura e de execução dos investimentos, taxas de co-financiamento a fundo perdido e/ou linhas de crédito, dotação orçamental por tipologia de investimento ou por áreas geográficas, critérios de mérito para aprovação dos projetos, e objetivos a alcançar em cada tipologia de investimento empresarial.

Sem essas informações nenhuma empresa pode preparar nenhuma candidatura para a realização de um projeto de investimento e adequar esses investimentos à sua gestão estratégica e operacional, a não ser que se pretenda incentivar candidaturas a investimentos realizados em cima do joelho, sem grande meritocracia ou sem grande sustentabilidade.

Esperemos que exista uma alteração e uma clarificação no discurso político a nível nacional e que finalmente os atores económicos possam definir investimentos com regras claras e comunicadas atempadamente, com prazos de candidatura e de execução conhecidos com a devida antecedência, com prazos de avaliação das candidaturas muito mais céleres do que tem acontecido, e cujos investimentos apostem sobretudo na inovação, na qualificação de recursos humanos e na internacionalização da economia.

Bruno Silva

—> Perfil de Bruno Silva no Facebook
—> Perfil de Bruno Silva no LinkedIn

# Coach, Consultor, Formador e E-Formador, desde 2009, em projectos financiados e não financiados como é o caso de projectos conjuntos formação – acção (AEP, IAPMEI, CAP, AIP, CTP, CCP), projectos individuais SI Qualificação / Inovação / Internacionalização (QREN e P2020),  Empreendedorismo no Feminino (CIG), Cursos de Especialização Tecnológica, Formações Modulares e de Vida Activa, entre outro tipo de projectos, na InnovMark, colaborando em parceria com Instituições de Ensino Superior, Associações Empresariais e de Desenvolvimento Regional, Entidades de Consultoria e de Formação Profissional DGERT.

# Speaker / Orador, desde 2009, com mais de 100 presenças nos principais Congressos, Seminários, Workshops e Conferências nacionais e Feiras de Negócios nas áreas da Inovação, Marketing e Empreendedorismo.

# Fundador e Responsável de Marketing (Community Manager), desde 2006, do Portal Inovação & Marketing, que conta actualmente com mais de 90.000 Subscritores, considerando todos os formatos de subscrição, sendo um dos maiores projectos deste género em Portugal.

# Cronista desde 2006 no Portal Inovação & Marketing, Revista Inovar-te, Portal AEP, Revista Brasileira de Administração, Revista Farmácia Distribuição, E-Go-Marketing, Revista Portugal Inovador (Jornal Público), RTP2, Marketing Farmacêutico e Revista SPOT.

# Fundador e Responsável de Marketing (Community Manager), desde 2013, do “Dish Mob Portugal“, movimento cívico que promove o espírito “Dish Mob”, sendo um movimento nacional importante na promoção do networking e de aceleração de ideias nas áreas da inovação e do empreendedorismo de base local, com cerca de 40 eventos realizados a nível nacional.

Licenciado em Gestão (Univ. Minho – 2004), Pós-Graduação em Marketing (IPAM – 2006), Mestrado (Parte Curricular) em Gestão da Inovação, Tecnologia e Conhecimento (Univ. Aveiro – 2007) e Especialização em Empreendedorismo de Base Tecnológica (Univ. Aveiro – 2007)

Experiência nas seguintes temáticas: Gestão de Empresas, Inovação, Empreendedorismo, Marketing, Vendas, Comunicação de Marketing, Marketing Digital, Marketing em Social Media, Marketing Inovador, Internacionalização, Marketing Internacional, Negócios Internacionais, Recursos Humanos, Coaching Comercial, Coaching a Empreendedores e a Executivos.

« Página anteriorPágina seguinte »