Artigo de Opinião: “Black Friday” (Revista SPOT)

 

Black Friday

Por Bruno Silva (Revista SPOT)

Recentemente viveu-se mais uma Black Friday em todo o mundo, data em que muitas marcas de retalho oferecem descontos apetecíveis para os consumidores, em várias gamas de produtos. Se é verdade que algumas compras podem ser consideradas um bom negócio pelo facto de os consumidores obterem descontos consideráveis, também é verdade que ao longo dos últimos anos têm sido reportados muitos abusos por parte das marcas que nos dias anteriores ou até mesmo horas antes da Black Friday inflacionam os preços de forma a que nessa data apresentem supostos descontos agressivos aos clientes.

Neste aspecto em particular, é importante que além da adrenalina de os consumidores se envolverem numa experiência com um cariz algo emocional, também é fundamental que aliem uma análise racional nesse processo de compra, de forma a não serem iludidos por parte estratégias pouco claras e transparentes, e nesse sentido uma das inovações dos últimos anos foi o surgimento de projectos online que permitem comparar preços do mesmo produto em várias marcas de retalho, físico e online, podendo o consumidor mais informado verificar se de facto determinado preço com desconto é um bom negócio ou apenas uma estratégia de publicidade enganosa.

A partir da utilização de determinados comparadores de preços como, por exemplo, o KuantoKusta pode-se facilmente constatar que determinado negócio que à primeira vista aparentava ser tentador afinal seria um negócio pouco apelativo, pelo facto de outras marcas de retalho praticarem preços semelhantes ou até inferiores sem utilizarem o tal “desconto”.

Devido a muitos abusos reportados que têm sido praticados, a DECO – Defesa do Consumidor lançou um comparador de preços no seu site, e defendeu e reforçou a necessidade da divulgação do preço mínimo praticado nos 30 dias anteriores ao desconto ou promoção anunciado, e nas lojas online, a apresentação gráfica da variação dos preços praticados, pelo menos nos últimos 30 dias.

Considero que esta maior transparência na informação prestada aos consumidores deveria ser uma prática corrente ao longo de todo o ano, e não apenas durante algumas épocas especiais do ano, para bem da concorrência leal entre as marcas e para benefício e satisfação dos consumidores. Inovação não está apenas relacionada com introdução de novas tecnologias, mas também com a melhoria de boas práticas e comportamentos de uma sociedade.

 

 

 

Bruno Silva

—> Perfil de Bruno Silva no Facebook
—> Perfil de Bruno Silva no LinkedIn

# Coach, Consultor e Formador nas áreas da Inovação, Marketing e Empreendedorismo, desde 2009 na InnovMark, colaborando também com Instituições de Ensino Superior, Entidades de Consultoria e de Formação profissional, Associações Empresariais, onde se incluem projectos geridos pela AEP, IAPMEI, CAP, AIP, CCP, CTP, CIG, etc.

# Speaker / Orador, desde 2009, com mais de 100 presenças nos principais Congressos, Seminários, Workshops e Conferências nacionais e Feiras de Negócios nas áreas da Inovação, Marketing e Empreendedorismo.

# Fundador e Community Manager, desde 2006, do Portal Inovação & Marketing, que conta actualmente com mais de 80.000 Subscritores, considerando todos os formatos de subscrição, sendo um dos maiores projectos deste género em Portugal.

# Cronista desde 2006 no Portal Inovação & Marketing, Revista Inovar-te, Portal AEP, Revista Brasileira de Administração, Revista Farmácia Distribuição, E-Go-Marketing, Revista Portugal Inovador (Jornal Público), RTP2, Marketing Farmacêutico e Revista SPOT.

# Fundador e Community Manager, desde 2013, do “Dish Mob Portugal” que promove o espírito “Dish Mob”, e que é um importante movimento nacional de promoção do networking e aceleração de ideias nas áreas da inovação e do empreendedorismo, com mais de 30 eventos já organizados.

– Licenciatura Pré-Bolonha em Gestão pela Universidade do Minho (2004).
– Pós-Graduação em Marketing pelo IPAM – Marketing School (2006).
– Pós-Graduação em Gestão da Tecnologia, Inovação e Conhecimento pela Universidade de Aveiro (2007)
– Curso de Especialização em Empreendedorismo de Base Tecnológica pela Universidade de Aveiro (2007)
– Formações Profissionais em Vendas, Excelência Pessoal, Inteligência Emocional e Criatividade, Gestão do Stress, Organização de Eventos, Comunicação em Público, E-Business, etc.

Artigo de Opinião: “A tecnologia e o RGPD” (Revista SPOT)

 

A tecnologia e o RGPD

Por Bruno Silva (Revista SPOT)

Recentemente a temática do RGPD – Regulamento Geral de Proteção de Dados ganhou um mediatismo acrescido e uma preocupação por parte das empresas que tentam respeitar os seus princípios de forma a evitar multas pesadas.

Importa referir que o RGPD incide sobre as informações pessoais que as organizações recolhem por parte dos seus clientes, colaboradores, parceiros, utilizadores, etc, sejam elas armazenadas em bases de dados digitais ou em arquivos em papel. Além disso, existe uma abrangência maior do conceito de dados pessoais ao se considerar além das informações pessoais habituais (nome, morada, telemóvel, e-mail, data de nascimento, etc) também os dados biométricos que são recolhidos pelas tecnologias que utilizamos (smartphones, smartwatches, etc) e que consistem em características fisiológicas (impressões digitais, reconhecimento pela íris ou pelo rosto, etc)  ou até dados comportamentais (voz, gestos corporais, hábitos diários que podem ser monitorizados, etc).

Do ponto de vista do marketing importa referir que existe alguma confusão quanto a esta temática e além da autorização para o armazenamento e gestão das informações pessoais deverá ser necessário um consentimento adicional explicito para a utilização dos dados pessoais para efeitos de marketing directo (criação de bases de dados e automatização de contactos através de sms’s, telemarketing, e-mails, etc). Além disso existe a possibilidade de a qualquer momento um ex-cliente solicitar o “esquecimento”, ou seja, a eliminação de todas as suas informações pessoais, com excepção dos dados incluídos nas Facturas, que devem ser armazenados durante alguns anos devido a imperativos legais.

O facto de uma pessoa, utilizador ou cliente, ceder os seus dados pessoais a uma organização não significa obrigatoriamente que esteja a dar autorização automática para ser contactado para fins de marketing directo. Nesse sentido o RGPD tal como a legislação do comércio electrónico, que está em vigor desde 2004, considera a temática das comunicações não solicitadas e a importância da autorização (opt-in) no âmbito do marketing directo e a facilitação da hipótese de remoção do consentimento a qualquer momento (opt-out). Nem sempre as empresas respeitavam estes princípios, no entanto agora com o RGPD esta temática ficou clarificada e reforçada.

 

Bruno Silva

—> Perfil de Bruno Silva no Facebook
—> Perfil de Bruno Silva no LinkedIn

# Coach, Consultor e Formador nas áreas da Inovação, Marketing e Empreendedorismo, desde 2009 na InnovMark, colaborando também com Instituições de Ensino Superior, Entidades de Consultoria e de Formação profissional, Associações Empresariais, onde se incluem projectos geridos pela AEP, IAPMEI, CAP, AIP, CCP, CTP, CIG, etc.

# Speaker / Orador, desde 2009, com mais de 100 presenças nos principais Congressos, Seminários, Workshops e Conferências nacionais e Feiras de Negócios nas áreas da Inovação, Marketing e Empreendedorismo.

# Fundador e Community Manager, desde 2006, do Portal Inovação & Marketing, que conta actualmente com mais de 80.000 Subscritores, considerando todos os formatos de subscrição, sendo um dos maiores projectos deste género em Portugal.

# Cronista desde 2006 no Portal Inovação & Marketing, Revista Inovar-te, Portal AEP, Revista Brasileira de Administração, Revista Farmácia Distribuição, E-Go-Marketing, Revista Portugal Inovador (Jornal Público), RTP2, Marketing Farmacêutico e Revista SPOT.

# Fundador e Community Manager, desde 2013, do “Dish Mob Portugal” que promove o espírito “Dish Mob”, e que é um importante movimento nacional de promoção do networking e aceleração de ideias nas áreas da inovação e do empreendedorismo, com mais de 30 eventos já organizados.

– Licenciatura Pré-Bolonha em Gestão pela Universidade do Minho (2004).
– Pós-Graduação em Marketing pelo IPAM – Marketing School (2006).
– Pós-Graduação em Gestão da Tecnologia, Inovação e Conhecimento pela Universidade de Aveiro (2007)
– Curso de Especialização em Empreendedorismo de Base Tecnológica pela Universidade de Aveiro (2007)
– Formações Profissionais em Vendas, Excelência Pessoal, Inteligência Emocional e Criatividade, Gestão do Stress, Organização de Eventos, Comunicação em Público, E-Business, etc.

Artigo de Opinião: “Monitorizar a saúde” (Revista SPOT)

Monitorizar a saúde

Por Bruno Silva (Revista SPOT)

Uma das maiores empresas na área dos seguros dos EUA – John Hancock – lançou a iniciativa de fornecer descontos aos clientes que aceitem ter a sua actividade física e de saúde monitorizadas através de smartphones, smartwatches e/ou outras tecnologias de tracking. Esta é uma área muito sensível que tenta transformar os dados físicos e de saúde dos cidadãos ou dos clientes, que sempre foram considerados privados, como uma espécie de jogo social ou de cartão de descontos tal como tem sido adoptado no retalho e nos hipermercados, em troca de descontos.

Com a introdução do RGPD – Regulamento Geral de Protecção de Dados, e mesmo antes dessa legislação, os dados de saúde sempre foram considerados como uma das matérias mais sensíveis e mais protegidas. Neste momento as empresas e os estados têm dificuldade em manter a privacidade de informações relativas à justiça, finanças, entre outras matérias. Informações que deveriam ser sigilosas têm sido utilizadas como armas mediáticas de arremesso consoante os interesses em causa. Imaginemos o que será daqui a alguns anos o espaço público mediático com capas de jornais com manchetes relativas às performances físicas e de saúde de políticos, figuras públicas e demais personalidades e cidadãos, que por causa de alguns descontos ou por causa da imposição de certas entidades tenham de fornecer os seus dados mais sensíveis a entidades que facilmente podem ser vítimas de roubos de informação privada, ataques informáticos, e de outro tipo de estratégias que têm acontecido em diversos domínios da nossa sociedade.

Será que depois a comunicação social e os players de social media irão argumentar que o interesse público se sobrepõe ao interesse privado, como tem acontecido, por exemplo, com as constantes violações do segredo de justiça e roubos de informação privada? Será que, por exemplo, um empregador irá ter acesso aos dados físicos e de saúde dos funcionários, de uma forma constante e regular 24h*7? Saber, por exemplo, quantas calorias os funcionários consomem e gastam por dia? Quais as horas de sono?  Ou mais grave do que isso, por exemplo, poder tomar a decisão de dispensar ou influenciar de imediato funcionários devido ao surgimento de doenças graves ou ao surgimento de uma gravidez?

 

Bruno Silva

—> Perfil de Bruno Silva no Facebook
—> Perfil de Bruno Silva no LinkedIn

# Coach, Consultor e Formador nas áreas da Inovação, Marketing e Empreendedorismo, desde 2009 na InnovMark, colaborando também com Instituições de Ensino Superior, Entidades de Consultoria e de Formação profissional, Associações Empresariais, onde se incluem projectos geridos pela AEP, IAPMEI, CAP, AIP, CCP, CTP, CIG, etc.

# Speaker / Orador, desde 2009, com mais de 100 presenças nos principais Congressos, Seminários, Workshops e Conferências nacionais e Feiras de Negócios nas áreas da Inovação, Marketing e Empreendedorismo.

# Fundador e Community Manager, desde 2006, do Portal Inovação & Marketing, que conta actualmente com mais de 80.000 Subscritores, considerando todos os formatos de subscrição, sendo um dos maiores projectos deste género em Portugal.

# Cronista desde 2006 no Portal Inovação & Marketing, Revista Inovar-te, Portal AEP, Revista Brasileira de Administração, Revista Farmácia Distribuição, E-Go-Marketing, Revista Portugal Inovador (Jornal Público), RTP2, Marketing Farmacêutico e Revista SPOT.

# Fundador e Community Manager, desde 2013, do “Dish Mob Portugal” que promove o espírito “Dish Mob”, e que é um importante movimento nacional de promoção do networking e aceleração de ideias nas áreas da inovação e do empreendedorismo, com mais de 30 eventos já organizados.

– Licenciatura Pré-Bolonha em Gestão pela Universidade do Minho (2004).
– Pós-Graduação em Marketing pelo IPAM – Marketing School (2006).
– Pós-Graduação em Gestão da Tecnologia, Inovação e Conhecimento pela Universidade de Aveiro (2007)
– Curso de Especialização em Empreendedorismo de Base Tecnológica pela Universidade de Aveiro (2007)
– Formações Profissionais em Vendas, Excelência Pessoal, Inteligência Emocional e Criatividade, Gestão do Stress, Organização de Eventos, Comunicação em Público, E-Business, etc.

Artigo de Opinião: “A revolução do E-commerce e da Indústria 4.0” (Revista SPOT)

 

A revolução do E-commerce e da Indústria 4.0

A nível mundial têm surgido algumas notícias que têm apanhado de surpresa as pessoas mais desatentas. A Toys”R”us pediu falência a nível internacional e embora as lojas em Portugal ainda estejam abertas, começou a vender as lojas de retalho a outros concorrentes em vários países. A H&M recentemente anunciou o fecho de 170 lojas a nível mundial, incuindo uma das lojas que detinha em Braga, na Avenida da Liberdade. Motivos? A concorrência é cada vez maior no retalho físico, no entanto também o e-commerce começa a ganhar cada vez mais adeptos em detrimento do retalho físico. E o sector da Moda e dos Brinquedos são 2 bons exemplos porque estão a ter uma adesão muito rápida ao nível das compras digitais.

Em termos globais mais de 10% de todas as compras B2C (por parte dos consumidores finais) já são efectuadas no digital (segundo a eMarketeer), e as previsões apontam para o o facto de nos EUA 1/6 das compras já serem realizadas através da internet. Em 2024 cerca de 1/3 das compras nos EUA serão via e-commerce, segundo a Deloitte. Recentemente a WD Partners foi mais optimista e anunciou que em 2024 50% das compras nos Estados Unidos poderão já ser realizadas via internet. Considero a previsão da WD Partners algo optimista no entanto, dentro de 6, 9 ou 12 anos a realidade é que o acesso generalizado à internet a nível mundial e a cada vez maior oferta de propostas de valor através do digital irá levar a que o digital passe a ser o método preferencial nas compras (independentemente do método de pagamento utilizado) e quem irá perder com essa mudança é o retalho tradicional.

Essa mudança já está a levar a que existam marcas tradicionais a apostar nos locais físicos como demonstração e locais de experiências e de interacção com as marcas, sendo o canal digital o canal preferencial para as encomendas. Por outro lado, já existem marcas que nasceram no ambiente digital, como as portuguesas Farfetch e Prozis ou até as gigantes Amazon e Alibaba, e que já começaram a estabelecer parcerias ou a lançar retalho presencial como um complemento de vendas ou como parceria para o lançamento do conceito do omnichannel, ou seja, da integração de todos os canais (digital, presencial, atendimento telefónico, etc).

A Farfetch está a começar a testar esse conceito com a Chanel, a Prozis tem desenvolvido parcerias com as principais marcas da grande distribuição nacional, a Amazon lançou e está a testar a loja física inteligente Amazon Go e o grupo asiático Alibaba também está a testar lojas físicas inteligentes que até permitem o pagamento por reconhecimento facial. A Tesla, no sector automóvel, é um bom exemplo da mudança de paradigma já que apesar de não ter lojas em muitos locais físicos, permite pré-encomendas através do digital e aposta muito em eventos e pop-up stores de demonstração.

Por fim, o retalho físico e os grossistas terão mais dificuldades neste paradigma já que outra grande tendência é a indústria 4.0, ou seja, as lojas físicas inteligentes e as lojas online vão estar mais interligadas com os produtores, sendo necessário que a produção passe a ser cada vez mais optimizada e adaptada em função da informação das vendas em tempo real a que os produtores terão acesso. Isso implicará uma mudança radical da indústria apostando cada vez mais na capacidade de adaptação, produção just-in-time, produção em pequenos lotes, personalização de produtos, capacidade logística nacional e internacional, e acima de tudo no lançamento constante de novas soluções, produtos e designs ao longo de cada ano, ou seja, capacidade de inovação!

 

Bruno Silva

—> Perfil de Bruno Silva no Facebook
—> Perfil de Bruno Silva no LinkedIn

# Coach, Consultor e Formador nas áreas da Inovação, Marketing e Empreendedorismo, desde 2009 na InnovMark, colaborando também com Instituições de Ensino Superior, Entidades de Consultoria e de Formação profissional, Associações Empresariais, onde se incluem projectos geridos pela AEP, IAPMEI, CAP, AIP, CCP, CTP, CIG, etc.

# Speaker / Orador, desde 2009, com mais de 100 presenças nos principais Congressos, Seminários, Workshops e Conferências nacionais e Feiras de Negócios nas áreas da Inovação, Marketing e Empreendedorismo.

# Fundador e Community Manager, desde 2006, do Portal Inovação & Marketing, que conta actualmente com mais de 80.000 Subscritores, considerando todos os formatos de subscrição, sendo um dos maiores projectos deste género em Portugal.

# Cronista desde 2006 no Portal Inovação & Marketing, Revista Inovar-te, Portal AEP, Revista Brasileira de Administração, Revista Farmácia Distribuição, E-Go-Marketing, Revista Portugal Inovador (Jornal Público), RTP2, Marketing Farmacêutico e Revista SPOT.

# Fundador e Community Manager, desde 2013, do “Dish Mob Portugal” que promove o espírito “Dish Mob”, e que é um importante movimento nacional de promoção do networking e aceleração de ideias nas áreas da inovação e do empreendedorismo, com mais de 30 eventos já organizados.

– Licenciatura Pré-Bolonha em Gestão pela Universidade do Minho (2004).
– Pós-Graduação em Marketing pelo IPAM – Marketing School (2006).
– Pós-Graduação em Gestão da Tecnologia, Inovação e Conhecimento pela Universidade de Aveiro (2007)
– Curso de Especialização em Empreendedorismo de Base Tecnológica pela Universidade de Aveiro (2007)
– Formações Profissionais em Vendas, Excelência Pessoal, Inteligência Emocional e Criatividade, Gestão do Stress, Organização de Eventos, Comunicação em Público, E-Business, etc.

Presença no Meet up da ESTG – Escola Superior de Tecnologia e Gestão do IPP – Instituto Politécnico do Porto (29 de Maio 2018)

Junho 4, 2018 by  
Filed under InnovMark

Presença na semana passada no Meet up da ESTG – Escola Superior de Tecnologia e Gestão do IPP – Instituto Politécnico do Porto — em ESTG – Escola Superior de Tecnologia e Gestão, com uma palestra ministrada por Bruno Silva.

 

Orbit | Desafios estratégicos, investimento empresarial, redes de cidades e networking. (29 de Maio)

 

 

 

Página seguinte »